quarta-feira, 6 de março de 2013

#microcontos

Seus corpos são palavras que, na paixão, se leem em todos os seus sentidos.
----
O que para outros é somente sexo, para eles é degustação.
----
Vem, que nós somos o tempo, e nos devoremos como ele nos devora.
----
Minha paz vira guerra quando alguém magoa uma pessoa que amo.
----
Enquanto a chuva de amor molhava as pessoas, ela, com o guarda-chuva aberto, mantinha seu coração seco.
----
Entre saias floridas e cafés, uma beleza que desperta a inteligência.
----
Sua beleza é inversamente proporcional à sua pequeneza física.
----
Minha maior vontade é esconder-te em meu abraço.
----
E entre tantas jóias e vitrines, uma beleza impagável.
----
Ao ouvir de sua amada sobre sua nova paixão alheia, sentia que o amor por ela dilacerava seu coração.
----
E chegará o dia da viagem para fora de mim, com um adeus à solidão.
----
A vontade de estar com ela se transformou em solidão que o devorava.
----
O ser humano é amigo do sofrimento, é amante do egoísmo, e flerta com a angústia.
----
Vou dormir com o gosto do seu nome repetido na minha boca.
----
Quero você aqui. E esse aqui pode ser em qualquer lugar.
----
E viu seu pai renascer, com o mesmo olhar juvenil, na frente do espelho.
----
Inventaram um novo idioma, chamado carinho.
----
Além do horizonte está seu Oriente.
----
Não vencem, nem perdem. Perdem-se um no outro.
----
Teu abraço é meu Porto Alegre.
----
Sem pudor, sem pecado, a paixão deles era abençoada com suor.
----
Encontrar você é, sim, uma Boa Viagem.
----
O tempo maroto me faz contar cada segundo que falta para estar contigo mas, quando estamos juntos, perco a conta.

Fábio Pedro Racoski

0 comentários:

Postar um comentário