domingo, 26 de agosto de 2012

Microcontos

Ninguém conseguia vê-lo, porque estava preso nos muros que ele mesmo ergueu.
--
Ninguém enxergava tão profundamente para poder ver sua beleza.
--
Sabia que não era um verme, mas a cidade insistia em enganar seu coração.
--
Ele experimentou sua maior dor quando tentou amputar a solidão de si, em vão.
--
Ela se embriagava do desejo dele.
--
Ele é o tamanho certo para vesti-la.
--
Depois de toda nossa trovoada, a chuva sobre nós.
--
Da ocasião, fizeram seu eterno momento de fogo ardendo, de dentro para fora.
--
Amam-se sob a proteção do anjo guardião de suas paixões.
--
Sob a luz dos seus olhos, uma paixão em fogo aceso.
--
Seus lábios se expressam sem palavras.
--
A paixão a arranhou mais forte que o roçar no seu pescoço.
--
A chuva molhava seus corpos enquanto as lágrimas buscavam os beijos um do outro.
--
Buscou a si mesmo. Encontrou-se. E, assim, passou a sentir a paixão dela.
--
Ao fechar os olhos e ouvir sua voz de lágrimas e desejos, ela o sentiu dentro de si.

Fábio Pedro Racoski

0 comentários:

Postar um comentário