sábado, 31 de março de 2012

Um amor

o mais dolorido
de todos os partos
é nascer
para o amor.

ah, o amor!
estava escrito
dentro de um baú
trancado
e empoeirado
no fundo da alma.

esteve sempre lá,
em palavras
sem fonemas,
em melodias
de lábios calados.

um amor
que espera,
que amadurece
mas é eterno,
que se intensifica
mas é infinito,
que se espalha
mas é interminável.

um amor
que me faz
esperar
pelo dia
em que morrerei
para mim,
e viverei
para nós.

Fábio Pedro Racoski

0 comentários:

Postar um comentário