Páginas

sábado, 5 de março de 2011

Sinto a chuva

Sinto o cheiro da chuva
chegando,
o choro do céu,
chamego do chão,
chicote das casas
quando cheio fica o rio,
chama sem fogo
que dá vida e revida.

Sinto o gosto da chuva,
chá de saudade
e tristeza,
deixa para o chato
chatear-se,
festa para o desaconchegado
aconchegar-se.

Sinto-me a própria chuva,
a escorrer do céu solidão
a procura da terra plenitude.

Fábio Pedro Racoski

2 comentários:

  1. esse poema está muito coerente com a realidade daqui de São Paulo. Belamente poético!

    ResponderExcluir
  2. "sinto-me a própria chuva a escorrer do céu..."
    d+

    ResponderExcluir