Páginas

segunda-feira, 21 de fevereiro de 2011

Maldito!

Maldito seja seu ar!
Ele não tem gosto,
não tem cor,
não é nada mais
que ar,
apesar dos seus rótulos
sentimentalmente ridículos.

Maldito sejam seus ouvidos!
A música que eles ouvem
não vem do coração.
São ondas sonoras
que se propagam
de um instrumento sujo,
cheio de bactérias.

Maldito seja seu coração!
Ele não é nada mais
que uma válvula
de bombear sangue.
Não sente, não chora,
não ri.

Malditos sejam seus sentimentos!
Não existe amor,
não existe ódio,
não existe nada
dessas futilidades.
O ser humano
apenas reage
aos estímulos
e aos instintos.

Maldito seja o bentido!
E também o maldito.
Não existe bem ou mal.
É tudo conversa
para tirar dinheiro
e ação.

Ah, maldita seja a poesia,
esse inútil instrumento
de iludir os cérebros
imbecis!

Cesar Miller de Almeida

Você quer...

você quer
que eu case
que eu namore
que eu beije
que eu procrie

você quer
que eu me apaixone
que eu dance
que eu beba
que eu seduza

você quer
que eu siga
que eu fume
que eu lamente
que eu conquiste

você quer
que eu deixe os meus
para ter com aqueles
a quem não pertenço

o que você quer
é que eu seja outro

eu não me quero

Fábio Pedro Racoski

sexta-feira, 18 de fevereiro de 2011

Loba

Ela corre pelos campos
dos meus versos insólitos,
por caminhos controversos,
perigosos,
ardilosos,
mas sempre certos.

Ela, feroz, líder,
matriarca de si,
predadora de imaturos,
caçadora de bons frutos,
seduz,
conduz
a matilha do meu coração.

Ela é a síntese
dos sentidos,
das sensações
e das paixões.

Ela, loba, mulher, licantropa,
uivo de música,
olhar de constância,
dona da lua,
da luz noturna,
da alma noturna
deste poeta.

Fábio Pedro Racoski

Sentido sentido

nasço,
cresço,
caio,
ando,
corro,
vivo,
danço,
canto,
erro,
acerto,
vou,
choro,
volto,
sorrio,
começo,
termino,
continuo,
amo,
morro,
ressurjo.

tudo isso
com
você.

sem você,
...

Fábio Pedro Racoski

segunda-feira, 14 de fevereiro de 2011

Ubuntu

Correste,
transpirei.
Pulaste,
vibrei.
Caíste,
sangrei.
Erraste,
perdi-me.
Amaste,
senti.

Quis matar-te
e percebi
que era suicídio.

De tanto sentir-te
ao sentir-me,
entendi.

Fábio Pedro Racoski

quinta-feira, 10 de fevereiro de 2011

Tudo

se nada mais
estivesse
onde está
nesse mundo
e tudo
o que existisse
fosse tudo
em nós
seria o bastante
para viver feliz

mas o tudo
está em nós
e tudo está
no seu lugar
por isso

nossa vida
a vida

Fábio Pedro Racoski

quarta-feira, 9 de fevereiro de 2011

tantas vezes
errei
tantas vezes
faltei
tantas vezes
não fiz
tantas vezes
desfiz...

tantas vezes
não fui eu.
mas agora
sou eu
pra mim
e pra você.

Fábio Pedro Racoski

sexta-feira, 4 de fevereiro de 2011

O ser humano

o ser humano,
pó das estrelas,
anseia guerras
querendo tê-las.

o ser humano,
barro de deus,
quer os poderes
que não são seus.

o ser humano,
filho da terra,
é matricida,
a vida enterra.

o ser humano,
pó das estrelas,
é tão ingênuo
querendo sê-las...

Fábio Pedro Racoski