Páginas

sexta-feira, 8 de outubro de 2010

Molotov

Querem convencer-me
de que fui feito
para Deus,
para as leis,
para votar,
para vestir gravata
e seguir por um
caminho maniqueísta.

Querem que eu acredite
nas palavras
dos poderosos
- porcos psicóticos
estupradores da liberdade.

Querem que eu obedeça
sem perguntar,
sem incomodar,
sem desfazer,
sem dissolver.

Querem que eu pense
cegamente
conforme um livro
escrito por seres humanos
inventivos.

Querem fazer-me quadrado,
previsível, plano,
raso, convencional,
autômato, militante,
crente, mesmo
descrente.

Querem que eu seja
um corpo sem alma,
um copo sem água,
uma bomba sem fogo.

E o que quero
é incendiar tudo.

Fábio Pedro Racoski

2 comentários: