Páginas

segunda-feira, 12 de julho de 2010

Versos capitolinos

Não, querido.
Não penses mal de mim.
Eu não te traí,
nós é que nos traímos
à nossa confiança.

Não, querido.
Teu filho não é bastardo.
Bastardos somos nós
que o negamos os beijos,
os abraços e as lágrimas
de pai e mãe.

Que compromisso é este
que nos prende a temores
incabíveis?
Que honra estúpida é esta
de querer afirmar-se
íntegro, se
nossos corações
estão rotos?

Não, querido.
Não me feriste a face.
Mas rasgamos nossas almas
maltrapilhas
em linhas de pobre
literatura.

Fábio Pedro Racoski

3 comentários:

  1. Se não tivéssemos pais pra nos estragar, acho q todos nós seríamos perfeitos e harmônicos... mas aí todo mundo seria irmão de ninguém e órfão do mundo, e não haveria nada de interessante nisso...

    ResponderExcluir
  2. Dá uma vontade de reler o texto de Machado. Eu adoro a Capitu. hihihi
    (E todos os mistérios dessa obra)
    Lindo o poema, Biofa.
    Beijo!

    ResponderExcluir
  3. Adorei o poema! Eu também sou apaixonada pela escrita de Machado de Assis!

    ResponderExcluir