domingo, 2 de maio de 2010

Esqueça-me

Esqueça-me.
Expulse-me de suas lembranças
e vá viver sua vida.
Tire-me daqueles pesadelos
e sonhos que nós inventamos.

Esuqeça-me.
Não ouse cultivar um grão de mim
em sua mente complexa.
Arranque-me de suas entranhas
espirituais e seja feliz.

Esqueça-me.
Deixe-me de viver este sonho
que não tem cabimento.
Veja: a estrada está limpa
e você não me vê no horizonte.

Esqueça-me.
Esquarteje-me em seu coração
que precisa bater em paz.
Já não sou sangue nem éter,
sou apenas pó eterno do nada.

Ah, por favor, esqueça-me.
Mate-me em você,
pois aquele eu que eu era
eu já matei em mim.

Fábio Pedro Racoski

5 comentários:

  1. "Mate-me em você,
    pois aquele eu que eu era
    eu já matei em mim."

    Uau!!!!! Que versos, meu amigo! Quanta intensidade!

    ResponderExcluir
  2. lindo de morrer...

    ResponderExcluir
  3. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

    ResponderExcluir