Páginas

segunda-feira, 8 de março de 2010

Ela (um poema à mulher)

Se vivo,
se canto,
se me levanto
e durmo
e rio
e sofro,
é simplesmente
por ela.

Ela, que embala meus sonhos
e cuida de mim,
me ensina e me dá vida.

Ela, que tem paciência comigo
e me compreende
melhor que eu mesmo.

Ela, que ousa entrar
nesse coração vadio
e ficar ali para sempre.

Ela, que sorri entre os cabelos
e me faz revelar-se
apaixonado.

Por ela, por elas,
além do tempo
e da saudade,
é que movo-me,
que amo,
que sinto.

Fábio Pedro Racoski

4 comentários:

  1. É, elas e eles, seres insuportáveis que não vivemos sem, parabéns para todas as mulheres..

    ResponderExcluir
  2. "Ela, que sorri entre os cabelos
    e me faz revelar-se
    apaixonado"
    Que delicado! Lindo.

    ResponderExcluir
  3. Um belíssimo poema, sem dúvidas. Delicado, simples e muito, muito, profundo. Na melhor acepção da palavra. Beijos, Biofa.

    ResponderExcluir