Páginas

terça-feira, 12 de janeiro de 2010

Cumpreanos

Mais um ano cumprido,
comprido,
comprimido cada vez mais
em meio a números
que crescem.
No calendário, em progressão aritmética.
Na carne, em progressão geométrica.

Sinto-me velho: vi o muro de Berlim
caindo na TV.
Vi a mancha do Gorbachev e a Perestroika.
Vi os oitenta, os noventa, os dois mil...

Sinto-me jovem: solteiro, solto, piá de tudo.
Novos dias, novos desafios, novos paladares.
Nova combinação de cores.

28. E não tenho saudades da infância querida.
Nem anseios aos cabelos brancos que ainda
não chegaram.
Filho, professor, poeta, tentativa de músico,
e muitas latas de Bozzano pela frente.
Assim espero.

Fábio Pedro Racoski

4 comentários:

  1. Ei, caro poeta, gosto de progressões, elas são bonitas e assustadoras. Nunca encontram um final.. (2,4,8,16,32,64,128...) Mas, ao mesmo tempo, esse infinito não interessa para matemática, só a beleza dos números crescerem e sumirem..Sei lá, cultura inútil.
    Poesia bonita!

    ResponderExcluir
  2. Lindo poema! Parabéns, de novo!

    ResponderExcluir
  3. dois dias depois, que esses vinte e oito se multipliquem por três. ainda dá! um abraço!!!!!!

    ResponderExcluir