Páginas

terça-feira, 1 de dezembro de 2009

Aos passantes

A você, passante, que fica me medindo quando me vê.
A você, que se espanta
- como se visse um extraterrestre -
com meu corpo,
ou com meus cabelos,
ou com meu jeito estabanado,
ou com minha voz alta e estridente,
ou com o conjunto da obra.
A você, que me olha e pensa no absurdo que é
uma pessoa como eu trabalhar,
cantar, tocar flauta,
fazer poesia.
A você, passante, que acredita na ausência
de paixões, amores, ódios e vaidades em mim.
A você, querido e odiado desconhecido,
desejo uma vida melhor.
Uma vida menos triste e frustrante.
Onde você não precisa
fingir que é feliz
ao tentar se divertir
quando me vê.

Fábio Pedro Racoski

2 comentários:

  1. Texto generoso e revelador de sua intimidade, lindo e sincero. Um grande abraço.

    ResponderExcluir
  2. Eu sempre tive raiva desses passantes. Agora? Tenho pena! Te amodoro, Biofa. Beijos, com o carinho que você merece!

    ResponderExcluir