Páginas

sábado, 31 de outubro de 2009

Análise sintética

Enfim,
chegou o fim.
Hora de começar.

Tudo acabou,
tudo se foi.
Hora de chegar.

Tudo passou,
tudo morreu.
Hora de nascer.

Tudo ódio,
tudo arranhão.
Hora da paixão.

Fábio Pedro Racoski

4 comentários:

  1. Quantas possibilidades de interpretações! Os poemas assim são os melhores.

    beijos e opbrigada por seus comentários!

    ResponderExcluir
  2. Bom. Muito bom! Fluente, analisável, desconstruível. :-)

    ResponderExcluir
  3. Uma vez assisti uma entrevista com uma poetisa, - que agora já não me lembro mais o nome, - que disse sobre a capacidade da poesia sintetizar coisas muito complicadas. Adorei. Ela citou Manoel bandeira(eu acho, não me lembro), a frase, muito bonita, era assim: "Há pessoas que passam pela vida e esperam a morte chegar e outros que vivem". Muito bonito. A poetisa riu, dizendo, que essa frase, para um filosófo podia ser uma tese. Mas, para a poesia era apenas uma poética bonita. Gostei do poema. Muito bonito.

    ResponderExcluir