Páginas

terça-feira, 30 de junho de 2009

Como Nietzsche matou Deus

Certo dia,
Nietzsche estava em sua carroça
pelos campos da Saxônia.
Eis que um rato
espantou seus cavalos,
fazendo a carruagem seguir
desgovernada barranco abaixo.

Ao fim do barranco,
uma procissão seguia...

Neste instante, o tempo parou
para o filósofo filosofar
em seu bigode.
Nietzsche pensou, divagou,
até formular um grito
de despertar
à multidão seguidora
de um deus morto
que passava:

SAI DA FRENTE, DIABARADA!!!

Fábio Pedro Racoski

quinta-feira, 25 de junho de 2009

Triste fim do Rei do Pop

Hoje, dia 25 de junho de 2009, o mundo dá adeus àquele que mais intensamente resume o significado de "pop".
Michael Jackson. O menino prodígio à frente do Jackson Five, grupo formado com seus quatro irmãos. O garoto que apanhava muito do pai. O jovem dondo do álbum musical mais vendido da história (Thriller, 1982). O homem que não soube crescer e administrar a fama. O homem que deformou seu rosto e sua tez negra em dezenas de cirurgias plásticas desastrosas.

Além de tudo isso, Michael Jackson foi para a música pop o mesmo que Elvis Presley para o Rock: o rei, o ícone, amado e odiado. O cantor de músicas que "grudam", como Bad, Thriller, Beat It, Billie Jean, ABC 123, All be There e tantas outras, conhecidas por fãs e mesmo por quem não gosta (como eu).

Michael Jackson deixa esta vida aos 50 anos. Ainda cedo, apesar da intensidade de seus dias na Terra. Espero eu, sinceramente, que Michael encontre paz e harmonia, sentimentos que ele não viveu aqui.

domingo, 21 de junho de 2009

Versos públicos

Vês!? Ninguém assistiu ao miserável
nascimento de tua primeira farsa.
Somente a solidão - a tua comparsa -
prestou-te companhia indispensável.

Acostuma-te ao vácuo que te espera.
Toda fera que, neste mundo novo
tenta soprar versos para seu povo
ganha silêncio, e versos de outra fera.

Toma o lápis. Acende a luz do quarto!
Digita versos, ruge ao que estás farto,
a voz que vomita também seresta.

Se a alguém tua presença incomoda, poeta,
põe teus versos em conexão direta,
vomita tuas cantigas e faz festa!

Fábio Pedro Racoski

terça-feira, 16 de junho de 2009

Another "Bric" in the wall

BRIC:
Ricos mendigos,
pobres milionários.

Quatro emergentes
globalizados:
marajás na Rússia,
caciques na Índia,
czares na China
e o último imperador
a reinar
no Senado Federal.

Fábio Pedro Racoski

sábado, 13 de junho de 2009

Dia dos namorados

todos em busca
de presentes,
de desculpas,
de beijos,
de alguém,
e eu aqui,
preocupado com
correção de provas,
meu salário,
meus tênis.

Fábio Pedro Racoski

terça-feira, 9 de junho de 2009

Poesia curitibana


Os poetas curitibanos
não têm wikipédia.
Os poetas curitibanos
não têm música
nem momento
no Faustão.
Os poetas curitibanos
não são galãs,
são roucos,
são loucos,
não são poucos.

Os poetas curitibanos têm
blogue.
Os poetas curitibanos
são vivos
(mesmo os que se foram).
Os poetas curitibanos
não se refugiam no Parnaso:
andam pela rua XV,
tomam um chope
desordenado
no Largo da Ordem.
Os poetas curitibanos
têm vida
e curitibanice
em seus versos,
em seus bigodes,
em suas vidas.

Os poetas curitibanos
são muito mais
que uma mera
excrescência ornamental.

Fábio Pedro Racoski

domingo, 7 de junho de 2009

Ainda sobre Tetris

Para você, Mariazinha Monstrinha e Joãozinho Monstrinho, há esta versão brasileira do Tetris, onde as peças são seres humanos: o Calabouço Tétrico.

Para um mundo menos tétrico, Tetris!

Fotomontagem de Erik Johansson (na verdade, "desde 1984").

Ontem, dia 06 de junho, o mais viciante jogo eletrônico, a porta de entrada de muita gente no mundo dos videogames, o Tetris, completou 25 anos de criação.

Nessa data, em 1984, um russo chamado Alexey Pajitnov (Алексей Пажитнов) criou, em plena guerra fria, um jogo para o computador Elektronika 60 (Электроника 60), da empresa Elektronorgtechnika - sim, existiam computadores digitais na União Soviética. O jogo recebeu este nome - Tetris - porque cada peça é formada por quatro (é tetra!) "minas" ou retângulos, chamadas de "tetraminós". As peças devem ser encaixadas para preencher uma ou mais linhas a fim de eliminá-las; no máximo, quatro - quando eu conseguia tirar quatro linhas era uma alegria só!

Nesses 25 anos, o Tetris ganhou continuações e versões as mais esdrúxulas possíveis. Tem Tetris 3D; Tetris com pecinhas formadas por um retângulo, cinco ou mais; Tetris erótico; centenas de jogos inspirados no Tetris, como Columns, Dr. Robotnik Mean Bean Machine e outros. A criação simples e eficiente do russo ganhou o mundo e pode ser encontrada em qualquer videogame, computador, celular, calculadora ou osciloscópio.

Você, amigo leitor, amiga leitora, já jogou seu Tetris hoje?

Nós, tetraminós

Sonhei que o mundo era um Tétris
telúrico, teatral,
onde na Terra tudo se encaixava
e o pranto debaixo dos pés
desaparecia
num passe de mágica.

As pessoas,
tetraminós de diferentes cores
e formas, giravam
e colocavam suas formas
diferentes de ser
em posição de igualdade
com outras formas
diferentes de ser.
E tudo fluía,
as dores, para baixo dos pés,
sumiam em linhas fantásticas.

Mas acordei
e, ao despertar,
vi que as peças
já não se encaixavam,
deixando espaços vazios
e fazendo surgir na tela da vida
a mensagem de "game over".
Reiniciar.

Fábio Pedro Racoski

Colégio estadual...

Subo os degraus,
entro na sala,
rangem as madeiras
no chão.

Cinco, seis alunos,
bocejos, braços cruzados,
alguém nota o violão:
"numa aula de português?"

A música que sai do giz,
a aula ditada nos acordes,
rock and roll, samba,
protestos e romances.

A noite anuncia a madrugada,
os alunos já não bocejam:
um dorme, debruçado
sobre a carteira.
O outro acompanha o
insólito professor
em cantorias loucas.

Fábio Pedro Racoski