Páginas

quinta-feira, 2 de abril de 2009

Metamorfose Ucrônica - ou "A barata que eu não fui"

Autor: Fábio Pedro Racoski

Certa manhã, ao despertar de sonhos idílicos, Gregor Samsa encontrou-se à cabeceira de uma cama metamorfoseado numa águia grandiosa. Numa mescla de espanto e fascinação, analisou seu corpo: patas, garras firmes segurando-se à cama, penas densas e quentes... O bico fez-lhe rir, pois trazia à memória seu nariz hebreu. Saltou algumas vezes. Treinou movimentos. Abriu os braços, agora asas, bradou seu assovio retumbante que há muito estava preso no peito de um caixeiro viajante e saltou da janela do décimo andar.

Liberdade! Liberdade! O vento assoviando nos ouvidos agora nus... A nova e estranha sensação do tremer das penas... O doce sentimento de ver a inveja nos olhos dos humanos: pobres primatas pequeninos, rastejando sobre o asfalto sujo até a porta de casa. Gregor Samsa, de tantos sonhos intranquilos, antes fora um inseto monstruoso. Agora, metamorfoseado em águia, era enfim humano.

Gregor podia ver as antenas dos arranha-céus, atravessar a floresta de aço e concreto num piscar de olhos, tocar com as garras os cimos dos montes... A cidade sufocante e suicida era uma simplória paisagem urbana sob suas asas. O mar surgia no horizonte, anunciando novos mundos. O homem-pássaro, Ícaro que deu certo, Super-Homem em trajes magistrais, cruzava os céus e as nuvens numa dança aérea de êxtase, alegria e satisfação. Gregor Samsa sentia-se o próprio deus.

Mas os humanos rastejantes têm inveja de deuses alados, de homens-pássaros que mostram nossa insignificância existencial. E os invejosos lançaram suas cápsulas de chumbo quente, na esperança de torná-lo igual a eles novamente, ainda que morto. As balas não acertaram Gregor Samsa, com exceção de uma que lhe raspou as penas do tórax, o que resultou em mera perda de altitude. Pobres humanos: até assim eram fracos!

Gregor Samsa bradou novamente seu assovio imperial - um adeus aos primitivos que ali ficavam. Voou, voou, até sumir no horizonte dos humanos. Foi para junto de águias grandiosas, homens celestes como ele.

---------------------------------------------------------------------------

Para quem quiser saber mais sobre Ucronia: http://pt.wikipedia.org/wiki/Ucronia
Para quem quiser saber mais sobre "A Metamorfose" (de Franz Kafka): a obra para baixar no site do governo "Domínio Público".

3 comentários:

  1. Bonito... a história seria completamente outra. Muito melhor virar águia ainda que invejada. E tem como uma barata virar águia?

    ResponderExcluir
  2. UAU! Um Kafka positivo :O Não creio!

    Adorei ;D

    ResponderExcluir
  3. Não sei, no começo me lembrou a barata de Kafka, e depois me lembrei de um livro infanto-juvenil "O menino de asas". (rsrs) Muito bonito. =)

    ResponderExcluir