Páginas

segunda-feira, 2 de março de 2009

Mi ne parolos vian lingvon

Eu não falarei tua língua,
essa língua nascida
para auxiliar.
Eu não falarei tua língua
de estrela verde
e sem pátria.

Para que esperanto,
se a supremacia indoeuropéia
ocidental anglófona
é tão latente?

Para que esperanto,
se ninguém pode
reinvindicar
sua posse?
(Talvez a Lituânia.)

Para que esperanto,
se eu quero falar
minha língua torta,
inexata,
e usar outra língua
torta, inexata, humana,
ostentando uma bandeira?

Para que esperança
de um mundo sem fronteiras,
sem Impérios,
sem a mão pesada
que dita
o que devemos ser?

Esperanto para quem ainda tem esperança.
Língua nenhuma para quem já não se ilude.

Fábio Pedro Racoski

Um comentário:

  1. Os dois versos finais são o que eu chamo de "um soco seco na boca do estômago"! Beleza!

    ResponderExcluir