Páginas

domingo, 29 de março de 2009

316 anos de Curitiba

O poema antes postado é uma homenagem, ou melhor, uma lembrança de Curitiba: em guarani, "muitos pinhões", "pinheiral". Hoje, 29 de março de 2009, a cidade completa 316 anos de fundação.

Parabéns, Curitiba! Um beijo na Boca Maldita (na foto, com a escultura de Poty Lazarotto à direita)!

A Vila de Nossa Senhora da Luz dos Pinhais

Do calçadão da XV,
ouve-se uma voz
rouca, dramática
e intensa.
São os gritos mudos
de Curitiba,
cidade minha,
meu mausoléu em vida,
meu cosmos vagabundo.

Cidade não canção,
cidade não maravilhosa,
cidade que para,
metrópole bairro,
cosmópole nanométrica,
Curitiba dos poetas
bêbados,
dos loucos sóbrios,
da elite em extinção
do Alto da Glória
e das massas caóticas
da Vila Pinto.

Curitiba humana,
cidade que quero
dormir,
que quero
sentir,
que quero
viver
na saúde e na doença,
na alegria e na tristeza,
até que a morte
nos separe
e meu corpo
seja enterrado
nestas terras de banhado,
úmidas e frias
como a pele
de uma passante
no mês de julho.

Vou tropeçar
por tuas avenidas planejadas.
Vou me embriagar
no Largo da Ordem.
Vou clamar por tua liberdade
na praça Tiradentes.
Vou fugir das tuas ciganas
e dos teus pastores
na praça Rui Barbosa.
Vou lembrar
dos teus garotos
que assistiam filmes pornôs
no Cine São João.
Vou te bendizer
na Boca Maldita.
Vou em teu bailão
no Boqueirão,
depois tomar um chá inglês
nas Mercês.
Da Lamenha Pequena
à Caximba,
caminho por ti
na esperança de
me perder
e te encontrar.

Fábio Pedro Racoski

quinta-feira, 26 de março de 2009

Eu te vejo, tu me vês...

De volta ao blogue! Peço desculpas pelo prolongado sumiço.

E gostaria de voltar a escrever lembrando das festinhas de minha adolescência, lá nos anos 90, onde havia o momento das "lentas", de dançar juntinho, das baladas românticas. O que é difícil de ver hoje, em meio à ditadura do sacode-esqueleto e do rebola-bunda.

As canções que marcaram época - e as paixões de muitos meninos e meninas - eram entoadas por Scorpions, Richard Marx, Bryan Adams, Extreme, e até mesmo Elton John! É isso mesmo, minha amiga leitora e meu amigo leitor: a coletânea de lentas era formada 99% de gringas. Talvez porque nos levávamos simplesmente pela melodia, talvez por falta de opções no mercado nacional (não é verdade...), ou para não se ater às letras ("Wind of Change", dos Scorpions, fala de mudanças políticas e sociais na virada dos anos 80 para os 90!).

O certo é que encontrei - por acaso - uma banda gringa, da Inglaterra, que traz esse espírito das "lentas" ao século XXI: The Magic Numbers. Formada em Londres no ano de 2002, tem como integrantes dois casais de irmãos: Sean Gannon (bateria e vocais), Angela Gannon (escaleta, percussão, "glockenspiel" e vocais), Romeo Stodart (guitarra e vocais) e Michele Stodart (baixo e vocais).

Classificada como uma banda de Indie Rock, The Magic Numbers conseguiu alcançar algum sucesso na grande mídia, com a música "Forever lost", do primeiro álbum, "The Magic Numbers" (de 2005), aclamado pela crítica, mas nem tanto pelo público.

A música que me interessa mostrar, aqui, é "I see you, you see me":

A voz aveludada de Angela Gannon, arranjos simples e eficazes... Para mim, a melhor balada romântica que já ouvi nos últimos anos. Lembra muito aquele clima de dançar juntinho, das "lentas" nas festas. Além disso, a letra é um poema singelo de amor, amizade e confusão entre estes sentimentos, como se pode ter ideia pela tradução (que encontra-se em: http://letras.terra.com.br/the-magic-numbers/530198/).

Confesso. Essa música fez algo difícil acontecer: me deu vontade de dançar juntinho, abraçado, ouvindo letras que ambos não entendemos. Concede-me esta dança?

terça-feira, 24 de março de 2009

Roda do tempo

Levanto da cama.
É tarde.
Na TV, um filme adolescente
dos anos 80.
Me visto depressa,
saio com pressa.
Cumprimento alguém que chega
para descansar.

O trânsito está calmo,
as ruas vazias.
Corro o máximo possível para
chegar.

Depois de tanta correria
chego para descansar.
Na TV, um filme adolescente
dos anos 80.
Cumprimento alguém que sai
depressa,
com pressa.

Essa pessoa parece-me
familiar...
Um velho conhecido.

Fábio Pedro Racoski

sexta-feira, 20 de março de 2009

Exclusividade humana?

Penso. Logo existo. (René Descartes)

Vil metal

Era madrugada.
Alguém bateu à porta.
- Quem é?
- O grande amor da sua vida!
Abriu a porta.
Olhou,
olhou,
encontrou dez
dólares
e um bilhete
perfumado
com uma mensagem
de adeus.

Fábio Pedro Racoski

segunda-feira, 16 de março de 2009

Rádio Gordo em seu "Desquetope"!

Num momentode ócio (im)produtivo e pensando numa propaganda para meu humilde "código aberto" blogue, criei um papel de parede no também código aberto Inkscape.



--> Tamanho 1024 x 768, para a maioria dos monitores
--> Tamanho 1280 x 1024, para monitores mais "compridos", geralmente de 17 polegadas.
--> Tamanho 1600 x 1200, bem grande, para algum maluco editar, se quiser!

...sve od lani pa evo do sada...

Quem assiste ao 15 minutos, programa de humor transmitido pela MTV, já deve ter ouvido o Marcelo Adnet a cantar "aquela música bósnia". O que pouca gente conhece é o caldeirão cultural onde essa música bósnia é cozida.

A Sevdalinka, também chamada de Sevdah, é um estilo musical bósnio fortemente influenciado pela cultura islâmica (a Bósnia é um país muçulmano), misturando ainda influências gregas e eslavas. Há alguns artistas que alcançaram certo renome fora da Bósnia, como Halid Bešlic, autor da primeira homenagem-canção à Saraievo, e Mostar Sevdah Reunion, banda formada pelo violinista Šaban Bajramović, quem interpreta a música apresentada por Marcelo Adnet em seu programa: "Čudna jada od Mostara grada" (pobre menina da cidade de Mostar). Ei-la:

Quantas surpresas nos guardam o Leste Europeu...

sábado, 14 de março de 2009

Códigos abertos

Os pinguins
quebraram minhas janelas!
Estão invadindo minha
mente assistente
de silício e solda.

Os pinguins
trazem tudo de graça.
Mas quebraram minhas janelas
custosas que não custaram
nada para mim.

Os pinguins
prometem simplicidade
mas me isolaram
numa casa sem janelas,
no frio do inverno
nuclear
dos dois núcleos.

Os pinguins
não sabem
que eu escrevia poemas
nas janelas.
Mas elas não eram minhas.
E os pinguins não são de ninguém.

Estou sozinho, no frio,
sem pinguins
e sem janelas.

Fábio Pedro Racoski

quarta-feira, 11 de março de 2009

A favor da vida?

Uma igreja que se diz
a favor da vida...
Mas não cuida de seus pequenos.
Uma igreja que se diz
a favor da justiça...
Mas faz vista grossa
para ditaduras
e ilegalidades.
Uma igreja que se diz
popular
mas colhe ouros
de todas as partes do mundo
para a fortuna vaticana.
Uma igreja que se diz
"fundada por Deus"...
mas é tão humana em seus vícios
e tão satânica em seus pecados...
Uma igreja que se diz
católica, universal,
mas não consegue enxergar
além do seu próprio umbigo.
Fábio Pedro Racoski

domingo, 8 de março de 2009

Logotipos

Ainda sobre mulheres e Ubuntu, este é o logo do Linux Ubuntu, que remete àquele conceito de humanidade compartilhada:E esta é minha versão, que remete ao meu conceito de existência e masculinidade compartilhada:
O pé mais gordo e feio é, claro, meu. Os pés descalço e com tênis são das minhas amigas Bloitch e Vanessa, respectivamente.

Ubuntu por vocês, mulheres!

Muitos já devem ter ouvido falar do Ubuntu, uma distribuição do Linux. Esse nome - vindo das línguas zulu e xhosa - remete a uma ética sulafricana que traz o conceito de "humanidade compartilhada". Uma tradução da palavra seria "humanidade para com os outros". Ou seja: eu sou e sei que sou porque você sabe que eu sou. Entendeu?

A frase que expressa mais diretamente esse conceito de Ubuntu é umuntu ngumuntu ngabantu que, traduzindo, significa: "uma pessoa é uma pessoa através de outras pessoas".

E o que isso tem com o Dia Internacional da Mulher? Oras: se eu sou através de outras pessoas, essas outras pessoas são mulheres. Mãe, avó, irmã, amigas... Eu sou pessoa e me reconheço como tal através delas. Mais: eu sou homem e me reconheço como tal através delas.

Então a vocês, mulheres que são diversas (roqueiras, professoras, nutricionistas, escritoras, delicadas, fortes, boxeadoras, jogadoras de vôlei...) eu devo minha masculinidade, por mais contraditório que isso possa parecer. Afinal, não somos uma contradição, homens e mulheres?

Desejo a vocês, mulheres, um feliz Dia Internacional da Mulher, ainda que o certo seria desejá-lo todos os dias, que são nossos, numa humanidade compartilhada entre homens e mulheres, no mesmo degrau.

------------
Para saber mais sobre Ubuntu: http://pt.wikipedia.org/wiki/Ubuntu_(ideologia)
Para saber mais sobre as mulheres: se descobrir, me avise!

sábado, 7 de março de 2009

Hoje é dia do homem

Amanhã, como todos sabem, é domingo! Além disso, é um dia reservado à celebração do ser mais perfeito da criação divina: o ornitorrinco. Brincadeira! Claro está que falo da mulher.

O 8 de março nasceu como uma data de protesto das mulheres trabalhadoras, principalmente em Nova Iorque, por menor carga horária, melhores salários e direito ao voto. Diz a Wikipédia:

A ideia da existência de um dia internacional da mulher foi inicialmente proposta na virada do século XX, durante o rápido processo de industrialização e expansão económica que levou aos protestos sobre as condições de trabalho. As mulheres empregadas em fábricas de vestuário e indústria têxtil foram protagonistas de um desses protestos em 8 de Março de 1857 em Nova Iorque, em que protestavam sobre as más condições de trabalho e reduzidos salários.

Existem outros acontecimentos que possam provar a tese como o incêndio na fábrica da Triangle Shirtwaist, que também aconteceu em Nova Iorque, em 25 de março de 1911, onde morreram 146 trabalhadoras. Segundo esta versão, 129 trabalhadoras durante um protesto teriam sido trancadas e queimadas vivas. Este evento porém nunca aconteceu e o incêndio da Triangle Shirtwaist continua como o pior incêndio da história de Nova Iorque.

Muitos outros protestos se seguiram nos anos seguintes ao episódio de 8 de Março, destacando-se um outro em 1908, onde 15.000 mulheres marcharam sobre a cidade de Nova Iorque exigindo a redução de horário, melhores salários, e o direito ao voto. Assim, o primeiro Dia Internacional da Mulher observou-se a 28 de Fevereiro de 1909 nos Estados Unidos da América após uma declaração do Partido Socialista da América. Em 1910, a primeira conferência internacional sobre a mulher ocorreu em Copenhaga, dirigida pela Internacional Socialista, e o Dia Internacional da Mulher foi estabelecido. No ano seguinte, esse dia foi celebrado por mais de um milhão de pessoas na Áustria, Dinamarca, Alemanha e Suíça, no dia 19 de Março. No entanto, logo depois, um incêndio na fábrica da Triangle Shirtwaist mataria 140 costureiras; o número elevado de mortes foi atribuído às más condições de segurança do edifício. Além disto, ocorreram também manifestações pela Paz em toda a Europa nas vésperas da Primeira Guerra Mundial.


Homens, preparem-se para amanhã. Pois...

HOJE É DIA DO HOMEM

Hoje é dia do homem
preparar sua canção de amor
ao violão, ao cavaquinho, à viola
ou a capella mesmo.

Hoje é dia do homem
ser mais masculino:
buscar flores,
lavar a louça,
preparar o jantar.

Hoje é dia do homem
dar um abraço aconchegante
com um beijo no rosto
da mãe, da avó...

Hoje é dia do homem
preparar-se para amanhã:
o supremo dia delas,
as mulheres,
donas de todos os dias,
senhoras do tempo,
da beleza,
da vida,
do homem.

Hoje é todo dia.
Amanhã também.
Dias de paixão, amor,
brigas, toalhas,
brincos e beijos.
Hoje, ontem e amanhã.
Tudo é da mulher e pela mulher.

Fábio Pedro Racoski

sexta-feira, 6 de março de 2009

A B C D ... ?

Emburreci. Deixei de ler e emburreci. Deixei a tragédia da preguiça de ler tomar conta de mim. Agora sou mais um cidadão brasileiro não-leitor.

Sabem quantos livros eu li esse ano? Um, que já havia lido antes: "A desobediência civil", com 56 páginas. Desemprego, tanto tempo para ler e eu aqui: a jogar Civilization IV, GTA IV, "diabo a IV", conversando no MSN... E o blogue vai emburrecendo junto com o dono!

Emburreci por falta de leitura. E agora preciso ler, pelo meu bem, pelo bem dos meus alunos vindouros - e aí preciso atualizar-me em linguísticas, gramáticas, análises do discurso, teorias literárias... É péssimo ter um professor desatualizado!

Vejam só: a escassez de leitura é tamanha que gastei minhas palavras em curtos parágrafos!

Agora mesmo vou ouvir a música de despedida do Windows XP e deleitar-me com leituras de Erasmo de Roterdã e Franz Kafka. Peço licença aos meus conversadores de MSN. E danem-se Sid Meyers e Niko Bellic! Eu vou ler.

quarta-feira, 4 de março de 2009

Uma pergunta, professor!

Uma charge do Maurício Ricardo. Mais uma vez, sobre a educação brasileira:

Você, caro leitor professor e cara leitora professora, sabem que, apesar do cenário caótico em que se encontra o sistema educacional no Brasil, ainda temos vários Cláudios Robertos como alunos. E também vários professores desacreditados como esse da charge.

segunda-feira, 2 de março de 2009

Mi ne parolos vian lingvon

Eu não falarei tua língua,
essa língua nascida
para auxiliar.
Eu não falarei tua língua
de estrela verde
e sem pátria.

Para que esperanto,
se a supremacia indoeuropéia
ocidental anglófona
é tão latente?

Para que esperanto,
se ninguém pode
reinvindicar
sua posse?
(Talvez a Lituânia.)

Para que esperanto,
se eu quero falar
minha língua torta,
inexata,
e usar outra língua
torta, inexata, humana,
ostentando uma bandeira?

Para que esperança
de um mundo sem fronteiras,
sem Impérios,
sem a mão pesada
que dita
o que devemos ser?

Esperanto para quem ainda tem esperança.
Língua nenhuma para quem já não se ilude.

Fábio Pedro Racoski

domingo, 1 de março de 2009

Conquistador conquistado

Mundo gira,
gira mundo
seguindo o bailar
do meu umbigo.

Minha voz te seduz.
Meus cabelos te amarram.
Meu corpo te prende.
Minha sapiência te convence
que sou perfeito,
teu, por compaixão.

Mundo gira,
gira mundo
seguindo o bailar
do meu umbigo.

Meus dedos tocam
o piano do som
das marés.
Meus olhos fitam
o caminho que tu deves
seguir.
Eu sou teu, por humildade.

Mundo gira,
gira mundo
seguindo o bailar
do meu umbigo.

Meus lábios te beijam,
indulgência do teu corpo.
Minha boca te canta,
melodia de anjos sensuais.
Minha língua te queima,
purificação eterna.

Mundo gira,
gira mundo
seguindo o bailar
do meu umbigo.

Onde vais?
Ninguém mais me quer.
Preciso de alguém.
Não sou nada
e a garrafa
já está seca.

Vou girando
vagabundo.
Seguindo o bailar
dessa embriaguez.
Fábio Pedro Racoski