Páginas

terça-feira, 17 de fevereiro de 2009

Lá vem o Chávez, Chávez, Chávez...

É, meus amigos. De tanto insistir - e usar a máquina do governo para isso -, o presidente da Venezuela, Hugo Chávez, conseguiu aprovar as "reeleições infinitas". Segundo ele, começará agora o "terceiro ciclo da revolução bolivariana". Lembrando, segundo o Hugo: o primeiro ciclo começa em 1989 com o Caracazo, levante popular contra a arrecadação de subsídios pelo presidente Carlos Andrés Pérez e finda na posse de Chávez em 1999. Sua "estreia" como ditador populista, na vitória da eleição popular em 2000, dá início ao segundo ciclo, o atual.

Numa atitude de imodéstia e prepotência, Chávez anuncia o terceiro ciclo como sendo sua "mais-uma-vez" reeleição de 2012, quando completarão 201 anos da independência venezuelana, proclamada por Simón Bolívar.

É claro que a população pode escolher outro candidato em 2012, assim como naquela última eleição iraquiana onde Saddam Hussein era candidato, ou nas "eleições populares" de Cuba. Num país onde o presidente-cara-de-toupeira estupra a liberdade de imprensa e seqüestra os direitos civis sob o rótulo de "socialista", não existe democracia.

Meu maior temor é que não exista democracia em parte alguma do planeta. E viva a anarquia!

Um comentário:

  1. Ô... acho ele tão democrático... quantos referendos ele já fez? uns 12? MAs, não sei onde ele quer chegar...Tenho medo dele!!!Acho que o Amor ao Bolívar é fachada... ele gosta mesmo é do Napoleão!!ou não...

    ResponderExcluir