Páginas

segunda-feira, 26 de janeiro de 2009

Dia sem fim (parte X)

“Não se muda da noite para o dia o mundo sem sonhos, mas o mundo dos sonhos, talvez.”, completou o sábio Wellington. Irina mudou a expressão – de atônita para profundamente triste –, olhou em meus olhos e disse: “no início dessa confusão, eu era a única ligação com a sanidade para o senhor, professor. E, agora, entendo que o senhor é a única ligação de existência para o universo não-físico. Tudo está em sua mente, e o senhor precisa se sacrificar para que os mundos não sumam.”

“Sacrifício? Não sou Jesus para morrer pela não-cultura da humanidade!”, disse, ainda não entendendo o propósito disso tudo. “Nós quatro precisamos nos sacrificar: toda a memória está, de um jeito que eu não entendo, dentro de nossas mentes.”, discursou Sarah. O fato é que, em tese, nosso sacrifício, naquele momento, nos levaria a uma existência não-existente, a fazer parte do mundo dos sonhos. Se morrêssemos ali, nossas memórias viveriam lá e tudo voltaria ao normal.

“Então, que comece o suicídio!”, disse novamente irônico. “Não podemos nos matar, mas precisamos que alguma coisa ou alguém do mundo de lá nos mate.”, respondeu Irina, antecipando nos olhos as dores da morte. Isso era, para mim, o mais absurdo de tudo, desde o céu roxo e o Interbairros II azul. Mas nada mais cabia em leis físicas, razão, religião.

Se for um sonho, morrerei e levantarei às seis para trabalhar. Se for real – o que é real? -, deixarei de existir? O mundo dos sonhos é uma existência ou não? Novamente sentia a embriaguez de um vinho que já não estava mais em meu corpo. A cabeça balançava involuntariamente: será isso o reflexo de uma epifania? Será que os santos assim se sentiam diante de uma revelação? Não: sou pobre, sou comum; Não sou guru, santo ou profeta. Sou um homem maravilhado em meio a mundo que não conheço.

“Quem nos mataria?”, perguntou Sarah. Depois de soluçar pensamentos, sugeri um algoz: “Fausto!”
CONTINUA...

Um comentário:

  1. Misericórdia!! Que fim terá o dia sem fim? Personagens mais poderosos! Concentram a "Memória". Morrerão?

    ResponderExcluir