Páginas

terça-feira, 13 de janeiro de 2009

Dia sem fim (parte VIII)

Agora estávamos reunidos em sonho! Será? Ainda desconfiava da realidade e dos sonhos. Ainda era forte em mim a sensação de que acordaria às seis da manhã de segunda-feira para trabalhar, apesar de tudo.

“Aqui vamos encontrar a resposta.”, disse Irina, obviamente falando sobre imperadores impossíveis. O cenário vazio do sonho-reunião foi preenchido subitamente por enormes edifícios: todos da mesma forma e apresentando a mesma cor de ferro e vidro. Sarah abriu um sorriso, esticou o dedo indicador para um entre os inúmeros prédios e disse: “Lá!” A sensibilidade da moça nos conduzindo?

E para aquela direção fomos. E eu que pensava serem os sonhos lugares onde não há limitações físicas! Caminhamos, caminhamos, até chegar à porta de entrada da torre igual. Tudo parecia muito real para um sonho, pensei. E Irina leu meus pensamentos novamente: “não é um sonho. É realidade. Estamos na outra parte, no mundo da imaginação. Dormir era uma forma de virmos para cá. Numa situação normal, seria um sonho. Mas nessa mistura de mundos, não.”

Realmente. Percebi isso porque nesse instante ocorreu uma situação inusitada: um escaravelho gigante passando por nós como se estivesse nos cumprimentando. “É o Gregor Samsa! É como eu o imagino!”, exclamou admirado Wellington.

Entramos no edifício. E eis um fato estranho. Um saguão de entrada como que futurista, acompanhando a arquitetura do prédio: funcional, monocromática, sem adornos, sem arte, sem humanidade. Uma frase em latim quebrava a monotonia do lugar: “OBLIVIO IMPERATOR MUNDI”.
CONTINUA...

2 comentários:

  1. O Esquecido Imperador do Mundo? Bem, agora, de certo, vamos lembrar. e o Wellington hein...escaravelho é bem diferente! Sabe, eu acho que o escaravelho estava lá, gigante, pra metafóricamente vocês compreenderm que a existência de vocês neste planeta, não é mais importante que a exitência do escaravelho. e pra mim o Gregor Samsa é barata mesmo...

    ResponderExcluir
  2. Eu ia comentar sobre o escaravelho, mas vejo que chegaram na minha frente...droga... agora eu só posso dizer que é uma ótima estória como eu digo em todos os outros comentários...
    Tenho q tendência de, à medida que me interesso por um texto, querer que chegue logo o fim para saber como termina '-'

    ResponderExcluir