Páginas

quinta-feira, 13 de novembro de 2008

The KKK took my baby away...

Saiu no JB Online:

EUA - Uma vítima da organização racista Ku Klux Klan que sofreu lesões corporais em 2006, entrou na Justiça contra o grupo. Jordan Gruver, 16 anos, que sofreu arranhões e teve ossos quebrados, quer uma indenização grande o suficiente para levar à falência o império do KKK nos Estados Unidos.

Gruver, cidadão americano com descendência panamenha, foi castigado em julho de 2006 no condado de Meade, em Brandenberg, Kentucky. Jogaram-lhe álcool e aplicaram-lhe socos e pontapés no chão.

Quando as agressões pararam, Gruver tinha o maxilar e o antebraço quebrados e duas costelas fraturadas, além de arranhões e outros ferimentos.

A briga foi entre o garoto, que pesava 68 kg e tinha aproximadamente 1,59m de altura, e dois integrantes da Ku Klux Klan, sendo que o maior deles pesava 136 kg e media 1,94m de altura, segundo informações da rede americana CNN.

Gruver, com a ajuda de uma organização civil, espera obter uma indenização de US$ 6 milhões. "Nós queremos justiça para compensar os danos sofridos por Gruver e uma indenização que seja capaz de retirar a organização racista dos seus negócios", disse o porta-voz do Southern Poverty Law Center, Booth Gunter.

O júri, composto por sete homens e sete mulheres, foi escolhido na última quarta-feira para ouvir o depoimento de Gruver dos dois membros do grupo acusados da violência. Estes foram identificados nos documentos judiciais como o "Feiticeiro Imperial" Ron Edwards e Jarred R. Hensley, o "Grande Titã" do Klan de Ohio.

Para quem não sabe, isso é a Ku Klux Klan (ou KKK): um grupo racista de extrema direita, residente principalmente no sul dos Estados Unidos. Eles "defendem" a idéia da superioridade branca e protestante, perseguindo, assim, católicos, judeus, hispânicos, muçulmanos, "amarelos" e, especialmente, negros.

O primeiro grupo com esse nome surgiu em 1865, quando a escravidão foi abolida e os negros receberam terras para plantio e obtiveram direitos civis iguais a todos. A brancaiada formada por veteranos confederados da Guerra Civil (os confederados eram escravistas) subiu nas tamancas, se vestiu de roupa e capuz branco, e começou a perseguir, torturar, espancar e matar negros, estrangeiros e republicanos - sim, a KKK era, no início, apoiada pelo Partido Democrata, que hoje tem como filiado Barack Obama!

Assim como os nazistas, a KKK queria (ou quer) uma pátria "limpa de raças, culturas e crenças inferiores". Três facadas em Lévi-Strauss e Darwin: não existe etnia, cultura ou crença superior! Eles têm como costume instalar cruzes em chamas no quintal de seus inimigos, simbolizando o espírito de Deus queimando em nome de "tão bons cristãos"!

Seis milhões? Por que não seiscentos milhões? Ainda bem que os estadunidenses estão mostrando que não são tão KKK assim. Mas eu é que não queria morar nos EUA se fosse muçulmano!

Para quem quiser saber mais sobre a KKK: http://pt.wikipedia.org/wiki/Ku_Klux_Klan

Um comentário:

  1. Olá Fábio
    Os KKK são na realidade uma farsa, uns fascistas. Eu trabalhei nos States 8 anos e sei bem como eles agem. Têm um preconceito errado acerca dos não americanos, enfim!
    Escreve e com razão: "Ainda bem que os estadunidenses estão mostrando que não são tão KKK assim."
    Ainda bem mesmo!!
    Um abraço e um óptimo fim de semana.

    ResponderExcluir